Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘ativismo’

Read Full Post »

Depois de uma rápida parada em Phoenix, no Arizona, o voo 1535 da US Airways (com internet a bordo, o que faz o voo parecer incrivelmente mais curto) chego a Los Angeles. A segunda maior cidade dos EUA impressiona do alto. Quem me recebe no aeroporto é Karina. Temos um grande amigo em comum.

Aqui não me sinto nos EUA. Muitos falam espanhol e em todos os lugares há informações bilíngues.

Vamos direto para uma boate na parte sudoeste da cidade para uma festa cubana e de alguma forma aquilo me conecta com toda nossa latinidade. Para entrar no bar, como de praxe, tive que apresentar algum documento para provar a maioridade. Aqui eles tem um controle absoluto por conta da própria lei seca nos anos 30, a multa é alta para quem desobedece e as autoridades costumam armar pegadinhas. Então mesmo que você não pareça um adolescente de 16 anos e que tenha alguns fios de cabelos brancos, eles SEMPRE vão pedir sua identificação.

Los Angeles é conhecida por suas gangues, a liderança delas passam de uma geração para outra. A cidade também tem um histórico de violência e de muitos conflitos raciais. São negros discriminando latinos e brancos, e latinos discriminando negros. Ontem no metro, subindo para o norte da cidade onde esta Hollywood, vi um negro hostilizar uma branca. Ela era careca, gorda com piercings; entrou de bike no metro sem pedir licença e ocupado espaço. Ela o tocou levemente e ele não gostou, fez um gesto de se limpar. Também vi adolescentes hostilizando um branco que recolhia recicláveis num lixo.
‘ São muitas Los Angeles’, me explica Karina. Aqui cada um vive na sua área, no seu gueto e quando alguma coisa esta fora do lugar, vem o conflito. No século XIX, os negros só podiam viver na outra margem do rio Los Angeles que corta a cidade. Hoje eles podem viver em qualquer lugar, mas as marcas da historia não podem ser apagadas assim. Ja em 1881, também existem relatos de hostilidade contra os asiáticos aqui, principalmente chineses e japoneses. Hoje eles tambem são a cara de L.A. E engraçado como toda grande ou media cidade americana tem sua Chinatown. Aqui, no bairro oriental, se pode comer enormes e deliciosas refeições por menos de 10 reais.

Me surpreendi com o multiculturalismo de Portland com asiáticos, negros, latinos e até uma brasileira que vendia comida do Brasil em um trailler, mas sinto a forca multicultural mais forte aqui em L.A.

Minha amiga trabalha com imigrantes. Acordamos de manha e ela me mostra um vídeo que produziu sobre uma comunidade latina que ocupa um lugar histórico na área central de L.A. e sofre com as pressões da iniciativa privada que quer derrubar todos os prédios para construir um grande empreendimento. A palavra usada para esse processo aqui é ‘ gentrification’. Como vejo, são muitas semelhanças entre nossos mundos.

Os sinais da crise são mais visíveis aqui na costa oeste. Desde Portland, noto um numero cada vez maior de pessoas nas ruas, miseráveis em praças. Soube que os jovens não encontram emprego por aqui e isso é visto como grande sinal de crise. Muitos culpam os imigrantes por isso.

A Cidades dos Anjos tem muito a ensinar sobre a complexidade e a desigualdade nos Estados Unidos e de como apesar das dificuldades no Brasil, somos um pais que sofre muito menos com esse tipo de conflito.

ps: Gadaffi e Steve Jobs são a bola da vez nos noticiários americanos. Ah! Também tem o furacão Irene que esta passando na Costa Leste depois do tal terremoto; é obvio que a intervenção norte-americana no mundo me desagrada e revolta, mas entre um ditador líbio e as ‘boas intenções’ norte americanas, eu prefiro estar contra os ditadores.

Read Full Post »