Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘música’

Anúncios

Read Full Post »

Rangel, Elomar, Fábio Paz e Luiz Caldas no estúdio WR

Rangel com Elomar, Fábio Paz e Luiz Caldas no estúdio WR

O Brasil, sem dúvida, é uma referência quando se fala em documentário. Isso já ficou claro até mesmo pra Hollywood que na penúltima edição chegou a estampar o rosto do nosso maior documentarista, Eduardo Coutinho, na festa de premiação.

Nos últimos anos, documentários produzidos no país tem ganhado destaque, principalmente aqueles ligados à música, provando que há público para o gênero.

Uma nova produção promete contar uma história pouco conhecida dos brasileiros. A Bahia e sua produção musical são responsáveis por um dos mais importantes capítulos da história da música no Brasil. E a WR Discos, um estúdio criado em 1975 por Wesley Rangel, teve muito a ver com isso. Além de ser o grande catalizador da criação da Axé Music, o estúdio WR foi o ponto de encontro entre músicos, poetas, produtores e técnicos, possibilitando dar vazão a talentos como Luiz Caldas, Carlinhos Brown, Gerônimo, Silvinha Torres, Roberto Mendes e tantos outros.

O jamaicano Jimmy Cliff

Rangel com o jamaicano Jimmy Cliff

Essa história começa a sair do limbo com o documentário dirigido por Nuno Penna. A produção é de Igor Penna e Mina Ishikawa, a mesma equipe responsável pela produção de A Morte de DJ em Paris (2011). Para o documentário sobre o estúdio WR, a equipe já realizou entrevistas com o produtor musical Roberto Sant’Anna, o cantor Paulinho Caldas, o músico Carlinhos Marques, o técnico de som Vivaldo Menezes, o locutor Jorge Cunha, dentre outros nomes chaves para se compreender a história dessa espécie de Abbey Road baiano.

Foto recente da equipe na  casa de Luis Caldas

Foto recente da equipe na casa de Luis Caldas

Também ajudam a contar a história do lendário estúdio, o produtor musical Alexandre Lins e o cantor Luiz Caldas. “É comum afirmar que a WR formou um mercado fonográfico na Bahia. Mas ainda assim essa afirmação está longe da real dimensão da WR na música da Bahia”, explica Nuno. “Ela foi responsável pela formação técnica e profissionalização de toda uma geração de músicos, produtores, técnicos de gravação e assistentes de estúdio”, completa o diretor.

Durante a década de 90 a WR continuou a gravar os maiores nomes da música baiana e até nacional, como Marisa Monte, Caetano Veloso, Simone, Fafá de Belém e tantos outros. O terraço do prédio construído na Rua Maestro Carlos Lacerda, onde há um café, com vista para avenida Garibaldi era o ponto de encontro preferido entre compositores como Vévé Calazans, Gilson Babilônia, Dito, Saul Barbosa e tantos outros. O documentário registra o reencontro desses músicos numa espécie de celebração ao estúdio que foi espaço para toda essa transformação ocorrida no mercado fonográfico. Agora é aguardar pra conferir o lançamento previsto para dezembro desse ano.

Read Full Post »

lavoura

O projeto de música instrumental brasileira e eletrônica Lavoura (lavoura.art.br) apresenta-se no Jazz nos Fundos, em São Paulo, no dia 26/2 e no Bar do Zé, em Campinas, no dia 28/2. O grupo mostra o show do disco Photosynthesis.
O Lavoura apresenta-se com Paulo Pires (bateria), Caleb Mascarenhas (synths), Fernando TRZ (synths, piano elétrico), Fabiano Alcântara (baixo) e Junião (percussão). Marcelo Monteiro (sax) participa do show no Jazz nos Fundos.
Com a proposta de estabelecer um diálogo entre as influências tropicais e as pistas de danças globais, o Lavoura é um dos nomes da cena paulista de novo jazz. Veja documentário produzido pela SESC TV clicando aqui.
Photosynthesis, quarto álbum em 12 anos de carreira do grupo, foi lançado em agosto de 2014, e ganhou destaque em sites, rádios e podcasts da Inglaterra, França, Espanha, Rússia, Canadá, Grécia, África do Sul, Japão e República Tcheca.
O trabalho consolida a pesquisa da banda em relação a uma linguagem que se utiliza das fusões envolvendo soul music, jazz, eletrônica, dub, ritmos afrolatinos e afrofuturismos.

Read Full Post »

DJ Sankofa na Vila Mariana (SP/SP)

Lembrando a antropóloga Goli Guerreiro e seu trabalho criativo sobre a Terceira Diáspora, apresento o DJ Sankofa. De origem Fante, Akan, ganês, DJ Sankofa responde no “passaporte” pelo nome de Justine Lloyd Ankai-macaidoo.

Figura conhecida em Salvador, o DJ é o timoneiro do Bar do Sankofa, no Pelourinho, um dos pontos mais agitados, multiculturais e divertidos da noite soteropolitana.

Ousado, o artista quer dialogar cada vez mais com o atual cenário nacional, onde o Brasil dá indícios de estar estreitando os laços com o continente. Justine adotou o nome do mito ganense Sankofa (Sanko = voltar; fa = buscar, trazer), um pássaro mítico que voa para frente tendo a cabeça voltada para trás. Vindo de um provérbio tradicional entre os povos Akan, o mito diz “não é tabu voltar atrás e buscar o que esqueceu”, ensinando a possibilidade de voltar atrás, às nossas raízes, para poder realizar nosso potencial para avançar.

Veja entrevista com o artista que passou por São Paulo para tocar num espaço cultural da Lapa.

Você acha que tem sido responsável por levar música de África pra Bahia?

Acho que sim. Foi muito importante, uma coisa bem pensada antes. Bahia é o terceiro lugar onde existe mais negros no mundo. Existiam coisas que realmente deixavam Bahia fora da África. Existe muito desconhecimento musical, cultural, então por esse motivo eu fui para lá.

Você chega direto na Bahia?

Não, primeiro aqui em São Paulo. Eu era cabeleireiro na época. Trabalhei em São Paulo fazendo cabelos no salão e ganhei um concurso onde o prêmio era passar uma semana em Salvador. Fui e nunca mais voltei. Esqueci tudo. Esse ano era 2002, eu cheguei no Brasil em 2001. O Brasil ganhou a Copa e o Lula foi eleito para a presidência. Toda aquela festa. Eu fiquei de vez.

Que paralelos traçar entre a Bahia e Gana, Bahia e África? Além da cor da pele.

Eu acho que se a gente falar da África, é muito e grande e eu não conheço, mas mesmo assim posso dizer que tem muitas coisas. Culturalmente, coisas de antiguidade, a exemplo de ir na Liberdade e parece que estamos em Acra. O jeito de estar na rua, de se vestir, de botar toca. Se você não falar pode se sentir no mesmo lugar. Até musicalidade, vários ritmos, você sente o africanismo. Música é o começo, a chave de entrada. América do Sul e África não tem muita conexão, África está mais em conexão com Europa e Estados Unidos. Tem muita falta de conhecimento de achar que a música africana é só batuque. Acho que falta educação básica para estudar África e conhecer as diferenças de países. Muita gente pensa que é um país, é o maior continente da terra com mais de 50 países. Estou trazendo conhecimento da África do Oeste que tem mais a ver com Salvador, com o Brasil. Eles percebem que na África não tem só guerra, pobreza, doenças. Se eles fecharem um acordo de que África é tal imagem, não vai dar certo, e por isso estou fazendo este link.

E São Paulo se conecta?

São Paulo é uma grande cidade mundial. É um avanço, encontra-se gente de vários países na cidade. Mas não vejo grande fonte de cultura, um começo só. Economicamente tem vários africanos que moram aqui, vários consulados, mas não vejo o tipo de trabalho que se faz. Quando você sai de um país para o outro você está em busca de vida melhor. Eu venho de família pobre, humilde. São Paulo oferece trabalho, negócios, vendas de artesanatos, é um grande lugar de consumo, mas não sei que tipo de consumo os africanos fazem aqui. Conheço estudantes que fazem mestrado, doutorado, mas não sei a conexão do imigrante com São Paulo.

Quais suas lembranças de Gana?

Se eu começar a contar não termino. Família, principalmente. Estou longe da minha família há mais ou menos 22 anos. É este o tempo que sai da casa dos meus pais. Tenho lembranças das comidas, do futebol. Todo dia a gente joga futebol. Eu parei de estudar só pra buscar vida melhor que a família não oferece. Não tive condições de estudar porque meu pai não tem dinheiro, minha mãe morreu. Tem que botar a cabeça no mundo, dentro de Gana, fora da minha cidade, depois pra outros países e fora do continente. Comida, famílias, amigos, cultura, brincadeiras, praia, tudo me lembra.

E o povo Akan?

Akan é muito grande, é metade de população de Gana. Eu sou Akan, Fante, porque Akan é uma grande tribo que tem várias etnias. Grupos que fazem a diferença, exemplo Fante, Ashanti. Isso muda. Algumas tribos são únicas daqueles lugares. Fante só tem uma tribo em todo mundo, aquela língua só fala em um lugar, você não acha outro. Quando os colonizadores chegaram, não sabiam.

Como explicar a diversidade musical africana?

Parece tentar ver quantos peixes tem no mar. É muito rico e infelizmente a América do Sul não conhece as músicas africanas. Eu digo as de hoje em dia. A música africana, cada país, cada tribo, tem música nacional, tribal. É muito grande, não dá pra adivinhar. São diversos ritmos línguas, uma loucura, bilhões. A música de Gana começa a fazer sucesso em 1920 que tem highlife, funk, que até James Brown se inspirou. Afrobeat são as diversas músicas como funk, highlife, soul, blues, metais, é muito grande. A gente é muito cuidadoso. Mbalax no Senegal, Burkina Faso. O africanismo está mais na moda no Brasil, tem movimentação grande, principalmente no nordeste. Em Salvador começamos fazer isso há oito anos. Estou contente. O brasileiro está aberto pra conhecer Africa. Musica africana é o futuro. Fui pra Gana este ano e os europeus compraram tudo. Eles vão porta a porta. Você tem dinheiro eles vendem. Tem muita pessoa interessada na musica africana.

Por que Fela Kuti gostava tanto de Gana?

Gana é entrada e saída da Africa, do continente inteiro. Foi o primeiro a ganhar independência. Foi onde os colonizadores entraram, é pequeno. A riqueza de Gana era ouro, Gana era muito rica e pouco povoada. Quando ganhou a independência ajudou outro países como Burkina Faso, Guiné Bissau. Então não só Fela, a mãe de Fela era amiga de Kami Kuma. Então a mãe sempre levava Fela pra conhecer Kami Kuma, um guerreiro que todo mundo conhece, que incentivava o africanismo, que defendia a economia interna. Ele que brigou pra Africa ser unida e um próprio ganês traiu ele. A Africa nunca vai ser unida. Não existe. Assim como é impossível unir a América do Sul. Cada país é um país. É um grande erro unir Africa. Poucas pessoas comem a riqueza do mundo. Não tem paz sem guerra. Estou tentando mudar a imagem da África. As vezes eu falo: eu não sou africano. Eu sou ganês. Eu não chamo nenhum brasileiro de americano do sul.

Que música você faz hoje?

O som de Sankofa tem vários estilos e ritmos de vários países africanos e latinos. Escolho musicas tradicionais e tribais que a mídia não toca, que o glamour não admite. Tem comercial muito grande com musicas feias, esculhambação de mulher, com sensualidade, que fala de estupro, de mal tratos. Minha proposta é o contrario, tocar músicas culturais que trazem letra, poesia, com bem estar, historia, como o samba rock. Você não vê letras feias no samba rock, na MPB, então comparando as musicas, é como samba, samba de fundo de quintal, como Cartola, este tipo de artista. Eu mixo tudo e faço minhas produções em cima das músicas com os sons deles e toco musica latina como salsa, merengue, que também são tradicionais. Minha proposta é outra, música de dançar junto, que traga o amor, o bem estar. É isso aí.

Conheça o bar do DJ Sankofa: http://www.sankofabrasil.com/

Escute alguns sets do DJ Sankofa: http://www.myspace.com/djsankofaoficial

Sankofa em ação: http://youtu.be/iOmepOwAjQw

Read Full Post »

Tracklist:
1) Confrontation
2) There For You
3) Welcome to Jamrock
4) The Master Has Come Back
5) All Night
6) Beautiful
7) Pimpa’s Paradise
8) Move!
9) For the Babies
10) Hey Girl
11) Road to Zion
12) We’re Gonna Make It
13) In 2 Deep
14) Khaki Suit

download

Read Full Post »

Read Full Post »

madeleine-peyroux-bare-bones-12

Faixas:
1. Instead
2. Bare Bones
3. Damn the Circumstances
4. River of Tears
5. You Can’t Do Me
6. Love and Treachery
7. Our Lady of Pigalle
8. Homeless Happiness
9. To Love You All Over Again
10. I Must Be Saved
11. Somethin’ Grand

[Download]

Read Full Post »

Older Posts »